quinta-feira, 13 de agosto de 2009

A política de Platão e Aristóteles e suas diferenças com a política atual

Platão dizia que um político deve desenvolver habilidades tais como saber cardar e fiar, porque um dos seus afazeres maiores é conseguir misturar o tecido maior e melhor com o menor e o pior (isto é, encontrar o equilíbrio entre os fortes e poderosos e os mais fracos e indefesos).
Hoje a realidade é bem diferente do que Platão exclamava, pois a maioria dos políticos não estão em aí para os mais pobres, esses políticos só se importam com os mais ricos,ou seja, com aqueles que possam de alguma forma os favorecerem. Não há nenhum equilíbrio entre as camadas sociais, enquanto há gente curtindo a vida rica e milionária, há outros que não tem condições nem de ter uma vida minimamente descentes.
Para Platão o objetivo da política é, primeiro, descobrir a maneira de viver que leva à felicidade humana, isto é, sua situação material, e, depois, a forma de governo e as instituições sociais capazes de a assegurarem.
O certo era os governantes se preocuparem com a vida, os costumes que cada um tem, os bens materiais que cada um possui, dessa forma eles iam saber se realmente a sociedade vive feliz, porém os políticos nem se preocupam com seus eleitores, e muito menos com a vida que eles levam. Depois da felicidade de cada um, deveriam vir às preocupações com as instituições que garantissem as pessoas à tão sonhada felicidade. Porém, os políticos estão muito mais preocupados em gastar o direito público com gastos supérfluos, e além de tudo pessoais, do que garantir o mínimo de conforto aos eleitores que os alegram aceitando em suas falsas promessas. De um modo geral, a política de Platão e Aristóteles em tese seria perfeita para por em pratica no Brasil, porém a atual realidade brasileira não tem condições de assumir essas idéias.
Atividade realizada por: Carla, Daiane e Jéssica - 2.°A

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário